terça-feira, 14 de outubro de 2014

Maldita esperança

Como é chocante encarar a realidade! É impressionante como mesmo com o passar do tempo, ainda existem situações que chocam. Mais surpreendente ainda é como o ser humano, o único ser na Terra dotado de inteligência, é capaz de ser levado a erro reiteradas vezes, sempre na esperança de que uma hora o resultado vá mudar. 
Talvez a culpa seja dela, da esperança. Aquela que dizem no final é a última que morre. Entendo que ela seja responsável pelas mais absurdas atitudes, que tomamos todos os dias, mesmo sabendo que as condições normais de temperatura e pressão não permitem que o resultado da reação seja outro. Maldita esperança. Tomara que você morra. 
Por outro lado, a vida sem esperança, como seria? Já provei dessa poção antes... Começar o dia sem ter vontade de levantar e encarar o mundo; Sem ter vontade de tentar mais uma vez por já estar com os joelhos feridos de tantas quedas e nenhuma vitória sequer; Repetir pra si mesmo qual será o resultado negativo de todas as atitudes antes mesmo de tentar fazer algo. E o final dessa história - previsível - não é dos melhores.
Mas e ai, como proceder? Vamos partir do básico, do bê-a-bá, que é aprender com os erros (na esperança de que eles não ocorram mais). Analisar tudo tim tim por tim tim.
Feita essa etapa, se os erros, tropeços e fracassos persistirem - e eles têm persistido feito vírus da gripe ultimamente - partiremos então para a próxima, que é: mudar as peças de lugar. Que em time que está ganhando não se mexe, todos nós já sabemos, e o inverso se aplica da mesma forma. Se o time está perdendo, vamos mudando, de um por um, os jogadores, até que se encontre o responsável pelo fracasso. E, nesse caso, o clube precisa estar em boas condições para realizar a troca, pois bons jogadores não mudam de time se não auferirem uma vantagem maior com a mudança, certo?!
Então, antes de mudar os jogadores: vamos fortalecer o clube. E como isso será feito? Bem, vai parecer aquelas listas bobas de livros de autoajuda, mas o pior é que é realmente o que deve ser feito: crer em si mesmo, se achar, se garantir. Olha, além da nossa mãe - e algumas vezes nem ela - ninguém mais acha que nós somos alguma coisa. Por isso, temos que nos achar por nós e pelos outros. Partindo desse ponto, naturalmente o padrão de escolha que faremos irá subir. Com esse padrão alto, poderemos atirar mais alto e assim atingir o melhor alvo, escolher os melhores jogadores para nosso clube e, quem sabe, chegar à final do campeonato.
Ok, eu sei que escrevendo assim parece super fácil. Mas não é. Não mesmo. O mundo e as pessoas são bem mais complicados que isso. E cá estou tentando encaixá-las numa receita de bolo simples. Bem... pelo menos eu estou tentando. E ao que parece a maldita da esperança continua viva, como uma lombriga dentro de mim, esperando que o resultado seja satisfatório, ou, quem sabe, vitorioso.

E que comece o campeonato!


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Ne me quitte pas


Não me deixe

Devemos esquecer
Tudo pode ser esquecido
Que já tenha passado
Esquecer os tempos
Dos mal-entendidos
E os tempos perdidos
Tentando saber como
Esquecer as horas
Que as vezes mataram
Com sopros de porque
O coração de felicidade

Não me deixe
Não me deixe
Não me deixe

Eu vou te oferecer
Pérolas de chuva
Que vêm dos países
Onde não chove
Eu vou cavar a terra
Até a minha morte
Para cobrir teu corpo
De ouro e luzes
Eu farei uma terra
Onde o amor será rei
Onde o amor será lei
Onde tu serás rainha

Não me deixe
Não me deixe
Não me deixe

Não me deixe
Eu inventarei
Palavras sem sentido
Que tu compreenderás
Eu te falarei
Sobre os amantes
Que viram duplamente
Seus corações incendiarem-se
Eu te contarei
A história deste rei
Morto por não poder
Te reencontrar

Não me deixe
Não me deixe
Não me deixe

Nós freqüentemente vemos
Renascer o fogo
Do vulcão antigo
Que pensamos estar velho demais
Nos é mostrado
Em terras que foram queimadas
Nascendo mais trigo
Do que no melhor abril
E quando vem a noite
Com um céu flamejante
O vermelho e o negro
Não se casam

Não me deixe
Não me deixe
Não me deixe

Não me deixe
Eu não vou mais chorar
Eu não vou mais falar
Eu me esconderei lá
Para te contemplar
A dançar e sorrir
E para te ouvir
Cantar e então rir
Deixa que eu me torne
A sombra da tua sombra
A sombra da tua mão
A sombra do teu cachorro
Não me deixe

Não me deixe
Não me deixe
Não me deixe



terça-feira, 22 de novembro de 2011

Closer

I would have loved you... forever...

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Na praia

Se você quer mesmo saber 
Por que que ela ficou comigo
Eu digo que não sei
Se ela ainda tem seu endereço
Ou se lembra de você
Confesso que não perguntei

As nossas noites são 
Feito oração na catedral
Não cuidamos do mundo
Um segundo sequer
Que noites de alucinação
Passo dentro daquela mulher
Com outros homens, ela só me diz
Que sempre se exibiu
E até fingiu sentir prazer
Mas nunca soube, antes de mim
Que o amor vai longe assim
Não foi você quem quis saber?


Aquela Mulher - Chico Buarque

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Tempotempotempotempo

Cara, que vontade de não ser mulher nesse momento...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Finalmente

A vida toda eu esperei por agora
Sentir o teu perfume assim tão de pertinho
Esse teu cheiro que existe só na flora
Naquelas flores que também contém espinhos


A vida toda eu esperei essa glória
Beijar mordendo esses teus lábios de fruta
Boca vermelha cor de amora cor da aurora
Dois cogumelos recheados com açúcar


Já vem de longe esse desejo perene
Suco de kiwi escorrendo lentamente
Não é de hoje que eu preciso conter-me
Chegou a hora vamos ver finalmente




Ney Matogrosso



segunda-feira, 24 de outubro de 2011

I need

A trip
A new tattoo
A brand bikini
A travel book
A new language
A new lipstik
A bob marley song
A whole bottle of red wine 
A new city
A new world

Painting of Fabian Perez